width=1100' name='viewport'/> Jurídico Laboral: DESCONTOS EM FOLHA SALARIAL. ALTERAÇÃO NA LEGISLAÇÃO.
"A INJUSTIÇA QUE SE FAZ A UM, É UMA AMEAÇA QUE SE FAZ A TODOS" MONTESQUIEU


sábado, 15 de agosto de 2015

DESCONTOS EM FOLHA SALARIAL. ALTERAÇÃO NA LEGISLAÇÃO.



DESCONTOS EM FOLHA SALARIAL. ALTERAÇÃO NA LEGISLAÇÃO.

 Resultado de imagem para empréstimo consignado

PAGAMENTO de CARTÃO de CRÉDITO, EMPRÉSTIMOS e FINANCIAMENTOS. 

Foi editada a MEDIDA PROVISÓRIA nº 681 (DOU do dia 10 de JULHO de 2015), que altera as Leis nºs 10.820/2003; 8.212/90 e 8.213/91 referentes à autorização para desconto de prestações em folha de pagamento de empregados cujo contrato de trabalho é regido pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), bem como dos Aposentados e Pensionistas da Previdência Social (INSS) e dos Servidores Públicos Civis da União, das Autarquias e das Fundações Públicas Federais.

O limite do desconto será no máximo de 35% (trinta e cinco por cento) do valor da remuneração disponível, podendo incidir, inclusive, sobre verbas rescisórias, sendo que 5% (cinco por cento) deverão, exclusivamente, ser destinados para amortização de despesas com cartão de crédito.

A legislação anterior à publicação da Medida Provisória não contemplava os gastos com cartões de crédito e o limite máximo de comprometimento da folha de pagamento era de 30%. Os mutuários poderão autorizar o desconto, em sua folha de pagamento, de valores referentes a empréstimos, financiamentos e operações de arrendamento mercantil, bem como os relativos às despesas de cartão de crédito, quando previsto nos respectivos contratos firmados entre os funcionários e as instituições consignatárias autorizadas para esse fim.


DAS OBRIGAÇÕES DO EMPREGADOR:

De acordo com o artigo 3º da Medida Provisória, cabe ao empregador informar no demonstrativo de rendimentos do empregado, de forma discriminada, o valor do desconto mensal decorrente de cada operação de empréstimo, financiamento, cartão de crédito ou arrendamento mercantil, bem como os custos operacionais, quando se tratar de operações relativas a mutuários. 

A concessão será feita a critério da instituição consignatária, sendo os valores e as demais condições objeto de livre negociação entre ela e o mutuário, observadas as demais disposições contidas na Lei nº 10.820/2003 e no seu regulamento (refere-se à Lei do Empréstimo Consignado).  


RELAÇÃO CONTRATUAL entre o EMPREGADOR e a INSTITUIÇÃO CONSIGNATÁRIA: 

O Empregador poderá, com a anuência da Entidade Sindical representativa da maioria dos empregados, sem ônus para estes, firmar, com instituições consignatárias, acordo que defina condições gerais e demais critérios a serem observados nas operações que venham a ser realizadas com seus empregados, assim como as entidades Centrais Sindicais com seus representados. Caso seja firmado um desses acordos, tendo o empregado atendido todos os requisitos e condições, inclusive as regras de concessão do crédito, a instituição consignatária não poderá se negar a celebrar a operação.

O empregador será o responsável pelas informações prestadas, em como pelo desconto e repasse dos valores às instituições consignatárias, que deverá ser realizado até o quinto dia útil após a data do pagamento ao mutuário.

Salvo disposição contratual em contrário, o empregador não será corresponsável pelo pagamento das dívidas de seus empregados, mas responderá, como devedor principal e solidário perante a instituição consignatária, por valores a ela devidos em razão de contratações por ele confirmadas que deixarem, por sua falha ou culpa, de ser retidos ou repassados.

Na hipótese da comprovação de que o pagamento mensal do empréstimo, financiamento, cartão de crédito ou arrendamento mercantil tenha sido descontado na folha do mutuário e não tenha sido repassado pelo empregador, ou pela instituição financeira mantenedora, à instituição consignatária, o nome do mutuário não poderá ser incluído em cadastro de inadimplentes.

DOS APOSENTADOS E SERVIDORES PÚBLICOS

Aposentados e Pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), bem como os Servidores Públicos, poderão autorizar, de forma irrevogável e irretratável, que a instituição financeira realize os descontos, em conformidade com o regulamento e as normas estabelecidas pelo INSS.
 
Quanto aos Servidores Públicos, de acordo com a Medida Provisória editada, poderão autorizar o desconto, em favor de terceiros, a critério da administração e com reposição de custos; e o total das consignações facultativas não poderá exceder 35% (trinta e cinco por cento) de sua remuneração mensal, sendo 5% (cinco por cento) reservados exclusivamente para a amortização de despesas contraídas por cartão de crédito.
Fonte e Suporte desta matéria, extraída do:
Boletim AASP, edição de 10 a 16 de AGOSTO de 2015, nº 2.953, págs. 7 e 8.

2 comentários:

  1. COMO É PROVADO QUE HOUVE COAÇÃO OI INDUZIMENTO NA HORA DE ASSINAR O CONTRATO DE TRABALHO. PODERIA SE POSSÍVEL ESTA PROVA NO MOMENTO DA ASSINATURA,OU SEJA, O EMPREGADO ESTA EM POSIÇÃO DE APENAS CONCORDA É SEU FUTURO SUSTENTO.

    ResponderExcluir
  2. COMO É PROVADO QUE HOUVE COAÇÃO OI INDUZIMENTO NA HORA DE ASSINAR O CONTRATO DE TRABALHO. PODERIA SE POSSÍVEL ESTA PROVA NO MOMENTO DA ASSINATURA,OU SEJA, O EMPREGADO ESTA EM POSIÇÃO DE APENAS CONCORDA É SEU FUTURO SUSTENTO.

    ResponderExcluir