width=1100' name='viewport'/> Jurídico Laboral: 2019
"SIGAM-ME OS BONS" ROBERTO GÓMEZ BOLANOS (CHAPOLIN COLORADO)


sexta-feira, 16 de agosto de 2019

CENTRAIS SINDICAIS REPUDIAM CALÚNIAS DITAS POR PAULO GUEDES. ELE NÃO TEM MORAL PARA FALAR DO MOVIMENTO SINDICAL, DIZ NOTA DAS CENTRAIS


CENTRAIS SINDICAIS REPUDIAM CALÚNIAS DITAS POR PAULO GUEDES. ELE NÃO TEM MORAL PARA FALAR DO MOVIMENTO SINDICAL, DIZ NOTA DAS CENTRAIS
 
As CENTRAIS SINDICAIS: CSB, CTB, CUT, CSP-CONLUTAS, FORÇA SINDICAL, NCST e UGT, emitiram nota conjunta contra a fala do ministro Paulo Guedes, da Economia, que caluniou o MOVIMENTO SINDICAL, em evento ocorrido em seminário “Declaração de Direitos de Liberdade Econômica” promovido pelo STJ - Superior Tribunal de Justiça.

Na nota, as CENTRAIS criticam o fato de o ministro ter dito, em evento do STJ, que as organizações sindicais foram “parcerias da ditadura militar brasileira”.

“O que ocorreu foi o inverso do que sugerem as infâmias vomitadas pelo senhor Guedes. Na ditadura de 1964, os sindicatos foram vítimas de intervenções, com seus dirigentes mais combativos afastados compulsoriamente e colocados no limbo pelo regime”, refutaram com veemência as centrais sindicais.

Leia abaixo a íntegra da nota emitida pelas Centrais Sindicais:

PAULO GUEDES NÃO TEM MORAL PARA FALAR DO MOVIMENTO SINDICAL

O ministro da Economia, Paulo Guedes, decidiu transformar o movimento sindical brasileiro em alvo de suas infâmias, insultos e mentiras. Durante a abertura do seminário “Declaração de Direitos de Liberdade Econômica” promovido pelo STJ, segunda-feira (12), ele chegou ao ponto de afirmar que as organizações sindicais foram parceiras da ditadura militar brasileira.

Além de ofender a memória de trabalhadores perseguidos, presos, torturados e assassinados por aquele regime, ele mostrou, com esta declaração, que não conhece a história do Brasil. O que ocorreu foi o inverso do que sugerem as infâmias vomitadas pelo senhor Guedes. Na ditadura de 1964, os sindicatos foram vítimas de intervenções, com seus dirigentes mais combativos afastados compulsoriamente e colocados no limbo pelo regime.

Basta consultar os arquivos históricos, que ele parece desconhecer, para saber que o movimento sindical lutou contra o arrocho salarial e o alto custo de vida e por isso foi violentamente reprimido. Não foi à toa que a decadência daquele famigerado regime se refletiu nas memoráveis greves iniciadas no ABC ao final dos anos 1970 e início da década de 1980. Greves que, vale ressaltar, começaram a partir da denúncia do falseamento de índices econômicos, feito pela equipe econômica do ditador general Emílio Garrastazu Médici.

Ao contrário do que afirmou Guedes, o movimento sindical não apenas não se aliou ao regime como lutou bravamente pela redemocratização e pela Constituinte.

O senhor Paulo Guedes, que se comporta como um porta-voz do mercado financeiro, revela-se agora um eloquente mentiroso. Ele que se diz liberal, serviu ao ditador sanguinário Augusto Pinochet, no Chile, e agora serve a um governo de extrema direita, intervencionista, retrógrado, que defende a tortura e os torturadores.

Como funcionário de um governo que está levando o país ao abismo, com a volta da recessão e altos índices de desemprego, um governo que enlameou a imagem do Brasil no exterior e atenta diuturnamente contra a soberania nacional, o meio ambiente e os direitos sociais, Paulo Guedes não tem qualquer moral para falar mal do movimento sindical brasileiro.

São Paulo, 13 de agosto de 2019.

VAGNER FREITAS – Presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT)

MIGUEL EDUARDO TORRES - Presidente da Força Sindical

RICARDO PATAH - Presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT)

ADILSON ARAÚJO - Presidente da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB)

JOSÉ CALIXTO RAMOS - Presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST)

ANTÔNIO NETO - Presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB)

ATNÁGORAS TEIXEIRA LOPES - Secretaria Executiva Nacional da CSP- CONLUTAS

CONHEÇA UM POUCO DESSA HISTÓRIA:

O MOVIMENTO SINDICAL dos TRABALHADORES LUTOU e COMBATEU BRAVAMENTE a DITADURA MILITAR

Depois de 14 anos de repressão, perseguições e sufocamento imposto pelo Regime Militar, no dia 12 de maio de 1978, os trabalhadores da fábrica de caminhões da Scania, em São Bernardo do Campo (SP), cruzaram os braços exigindo um aumento salarial de 20%, acima do reajuste estipulado pelo governo. A greve da Scania – que rapidamente se alastrou por um grande número de fábricas na região do ABC paulista – foi o sinal de que um poderoso ator social estava entrando em cena no país: a classe trabalhadora. O movimento expressava um novo sindicalismo; combativo, autônomo e organizado a partir da base. Surpreendeu a ditadura e alterou os rumos da “abertura”, a transição conservadora do regime que excluía os trabalhadores.

O Novo Sindicalismo, ou “sindicalismo autêntico”, como também se tornou conhecido e que tinha LULA como um dos seus líderes mais expressivos, desafiou a legislação ANTIGREVE e começou a romper as amarras da organização sindical subordinada ao Estado, modelo implantado no país desde a década de 1940. Os trabalhadores impulsionaram a luta pela redemocratização não somente por meio de greves: iriam criar seu próprio partido, o PT, em 1980, e a Central Única dos Trabalhadores, a CUT, em 1983. Articulado com outros movimentos sociais, o Novo Sindicalismo levaria a pauta dos trabalhadores às ruas e à Assembleia Constituinte (1987-1988), conferindo nova qualidade à luta política na transição da ditadura para o regime democrático.

Os principais expoentes do Novo Sindicalismo eram de uma geração formada sob a repressão do regime militar, que atingiu duramente os sindicatos e organizações políticas da classe trabalhadora. Uma das primeiras medidas após o golpe de abril de 1964 foi a proibição do Comando Geral dos Trabalhadores (CGT), a central sindical ligada ao antigo PTB e ao PCB. O presidente do CGT, DANTE PELACANI, foi cassado e perseguido; o vice-presidente, CLODESMIDT RIANI, foi preso; mais de mil sindicalistas foram cassados, muitos foram presos ou exilados. Cerca de 600 sindicatos sofreram intervenção da ditadura em 1964 e 1965.

Centenas de sindicalistas e ativistas sindicais foram perseguidos, presos, torturados e mortos; e muitos simplesmente desapareceram nos quarteis e em instalações de tortura do regime.

A repressão implantou uma política de arrocho que reduziria os salários em cerca de 20% entre 1965 e 1967. O valor real do salário mínimo seria reduzido em 42% entre 1964 e 1974. Para minar a resistência dos trabalhadores, o direito à estabilidade no emprego após dez anos de contrato – que favorecia a organização nos locais de trabalho – foi substituído pelo Fundo de Garantia do Tempo de Serviço; uma nova legislação praticamente impediu as greves a partir de junho de 1964. 

Mesmo nessas condições, várias categorias conseguiram manter a combatividade. Em abril de 1968, uma grande greve na região de Contagem e Belo Horizonte conquistou um aumento nacional de 10%. A repressão caiu sobre os trabalhadores depois da vitória, com a demissão dos líderes e ativistas. Seus nomes foram incluídos numa lista de perseguição, que os impediu de trabalhar em qualquer fábrica da região.

No Primeiro de Maio de 1968, em São Paulo, sindicalistas e militantes de esquerda protestaram no palanque da solenidade oficial. Em junho, em Osasco, uma greve de metalúrgicos e com ocupação de fábrica foi reprimida por tropas do Exército. A greve de Osasco terminou com a prisão de centenas de trabalhadores.

 A repressão que se seguiu ao AI-5, em dezembro de 1968, parecia ter calado definitivamente a voz dos trabalhadores. Foi um período de resistência silenciosa nas fábricas e em poucos sindicatos, pois a maioria das entidades estava sob intervenção de agentes da ditadura ou sob a direção de “pelegos”, sindicalistas controlados pelos patrões.

A nova liderança sindical se formou na medida em que os trabalhadores percebiam o esgotamento do “milagre econômico”, que havia promovido o crescimento da economia e do parque industrial, ao custo de uma brutal concentração de renda. 

Esse modelo começou a falir a partir do choque de petróleo de 1973, seguido pela crise da dívida externa e pela estagnação da economia. A receita do regime para enfrentar a crise recaiu mais uma vez sobre os trabalhadores, submetidos a uma nova rodada de arrocho salarial e, nos grandes centros industriais, a um sistema de rotatividade pelo qual as empresas promoviam demissões em massa para reduzir os salários de contratação (época da rotatividade de mão-de-obra nas fábricas, conduta praticada pelos empresários periodicamente para achatar os salários dos trabalhadores). ...................................................................................................................... 
  
    NOTA DO JL:

Da parte dos trabalhadores organizados nos Sindicatos houve muita luta e muita de resistência contra a opressão e a tirania implantados pelo Regime Militar. Esse período obscuro da política e do Regime está devidamente registrado e catalogado na História do Brasil e testemunhas vivas ainda estão entre nós para recontá-lo se preciso for; portanto, de nada adiantará a vazia negativa pelo atual mandatário instalado no Governo, que “tais coisas não existiram é tudo invenção de esquerdistas”. A propósito,  nesta semana (de 11 a 17.08.2019) veio a público pela Imprensa decisão inédita do TRF da 2ª Região (RJ) que recebeu a denúncia do MPF e abriu Ação Penal em face de militar estuprador e assassino, rememorando a terrível história da CASA da MORTE de PETRÓPOLIS, local onde funcionou aparelho do Regime (clandestino), instalado para torturar e matar opositores da Ditadura; local onde brasileiros engajados nas lutas pela redemocratização foram torturados e assassinados;  reafirmada com mais esse caso conhecido, a prática pelo Regime, de Crimes contra a Humanidade